Como lidar com as dificuldades atuais e pós quarentena     

 

A chegada do novo coronavírus no Brasil trouxe consigo uma série de mudanças em nosso cotidiano. Com reflexos na economia em escala mundial, a pandemia impôs o confinamento como uma das alternativas mais eficazes para redução do contágio. 

 

Evitar que o sistema de saúde entre em colapso a nível nacional é fundamental para o enfrentamento da COVID-19, pois seu rápido avanço, resulta em perdas no que diz respeito à saúde e preservação de vidas, bem como para a economia do país.    

 

A quarentena é essencial para preservação do bem maior, a saúde e a vida, mas as consequências dessa medida são notórias, especialmente para os micro e pequenos empreendedores que, em dias normais, já fazem um grande malabarismo para equilibrar seu caixa, e cumprir com as obrigações e pagamento de impostos.

 

Esforço maior 

 

No final do ano passado, com intuito de incentivar a abertura de novas empresas, o governo adotou algumas medidas através da MP da Liberdade. Essas ações tornaram menos  burocráticos alguns processos relacionados à livre iniciativa. 

 

Seria este um ano mais promissor para a criação de novas empresas ou expansão e melhoria dos negócios já existentes? O avanço da COVID-19 nos deixa sem essa resposta e além de frustrar as perspectivas favoráveis para 2020, abriu diante dos olhos de trabalhadores e empreendedores um cenário no mínimo preocupante.     

 

O comércio fechou as portas e as pessoas estão na maior parte do tempo dentro de suas casas, o resultado disso, o dinheiro não circula , indústrias e distribuidores também são afetados. O período é de insegurança com o atual cenário econômico e a provável diminuição de poder econômico da sociedade.

 

Trata-se de um efeito cascata, pois as indústrias e distribuidores por sua vez, se vêem obrigadas a utilizar os mecanismos autorizados pelo governo, como redução de jornada e salários, algumas suspendem contratos e  outras já demitem seus colaboradores. 

 

Manter uma micro ou pequena empresa já representa um desafio em dias normais, com a chegada da COVID-19 os esforços mais que dobraram.  

 

Alguns empreendimentos possibilitam saídas alternativas para manter o negócio funcionando, mas as perdas ainda são significativas, principalmente para aquelas empresas ou serviços que não dispõem de muitas opções para manter as vendas ou serviços, até porque, para alguns segmentos, o tempo de implantação e adaptação de novas estratégias é um pouco maior. 

 

Período de quarentena

 

Ainda estamos em quarentena e em  breve voltaremos à rotina de antes, não serão dias fáceis, pois exigirão muito trabalho, paciência e estratégia para recuperar o fôlego, mais adiante falaremos sobre essa retomada. 

 

É necessário focar ainda nas medidas de isolamento e no impacto dele. A redução de custos é a palavra de ordem para tentar passar por esse período com menor turbulência possível. 

 

Os especialistas da IF Assessoria tem dado informações valiosas, que foram divulgadas inclusive em veículos de comunicação como UOL, G1  e blogs como: RH Pra Você e Jornal das Mulheres, estes canais se tornaram grandes parceiros na divulgação de informações e conhecimento que pode fazer toda diferença nesse momento de crise. 

 

Além de acompanhar na íntegra acessando os links acima, preparamos um resumo das principais orientações e dicas que ajudarão a minimizar a carga desse momento. Logo abaixo reforçamos as dicas: 

 

Reduzir despesas

 

O fechamento por si só trouxe algumas reduções de despesas, como energia elétrica, mas é essencial que o empresário tenha ideia de quais são seus custos para poder reduzir ainda mais.

 

Despesas  de menor importância deverão ser cortadas, pois não haverá receita durante o período de isolamento social.

 

Negociar com Fornecedores e Credores

 

Este  é o momento em que todos precisam se unir para evitar uma hecatombe econômica. Fornecedores e credores da micro e pequena empresa terão que ter bom senso para negociar o pagamento facilitado durante o período em que as empresas precisarão ficar fechadas e,  consequentemente, sem faturamento.

 

Com a participação e união de todos os envolvidos na economia, principalmente no que estiver relacionado às micro e pequenas empresas, será possível que o maior número de empresas consiga passar por esta crise, sem ter efeitos muito grandes. 

 

Contar com a Colaboração dos Funcionários

 

A relação trabalhista é sempre a mais essencial e a mais sensível dentro de uma pequena empresa, pois está relacionada diretamente com sua atividade empresarial e atendimento de seus clientes.

 

Portanto, é muito importante que todos os funcionários estejam cientes que a situação é crítica e também é importante que todos os pequenos empresários entendam que a crise que os atingirá será severa também a seus funcionários.

 

O momento pede bom senso para entender que a empresa ficará sem receita e com recursos diminuído para pagar salários  e os bônus existentes. A colaboração dos funcionários é de extrema importância para atravessar essa fase.   

 

Ter atenção às medidas governamentais

 

Ciente do grave problema que as medidas causarão para as empresas, especialmente para as micro e pequenas, o governo vem propondo medidas para aliviar as despesas. É importante que micro e pequenos empreendedores estejam a par de todas estas medidas.

 

Vale destacar neste item, a importância de ter neste momento um excelente contador e um excelente advogado do lado para poder entender e aplicar todas as medidas que estão sendo propostas. 

 

Embora elas sejam temporárias (adotadas para auxiliar no enfrentamento da crise da COVID-19) devem ser observadas com cuidado, especialmente pelos empregadores.      

 

Como medida de suporte às pequenas empresas já foi anunciado e regulamentado o pagamento diferido do imposto relacionado ao SIMPLES NACIONAL além da possibilidade de flexibilização da legislação trabalhista com a suspensão do contrato de trabalho e possibilidade de redução de carga horária com a proporcional redução dos salários. 

 

Período pós quarentena

 

Até aqui, falamos das dificuldades em pleno período de pandemia e quarentena. Sabemos e estamos ansiosos para retomar a velha rotina, não é mesmo? Esperamos que tudo termine logo e de preferência com o mínimo possível de perdas.   

 

Quando as coisas estiverem voltando ao normal, apesar das projeções de especialistas, não sabemos com exatidão como estará a economia e o cenário real para o mundo dos negócios após o auge da crise da COVID-19 , especialmente para o micro e pequeno empreendedor, que, segundo o Sebrae representa 98,5% do total das empresas privadas. 

 

Como já ressaltamos neste post, a crise acertou em cheio as micro e pequenas empresas, o impacto para essas empresas será grande, já que nos primeiros meses posteriores a Receita possivelmente não serão suficientes.   

 

Até porque, muitas delas, adiaram através de acordos suas obrigações (fornecedores, aluguel, tributos, entre outros) para o futuro. Além dos compromissos postergados terão que cumprir a estabilidade dos funcionários que fizeram parte do programa de manutenção de emprego.  

 

Soma-se às obrigações adiadas (que se estenderão provavelmente até novembro e dezembro) ás obrigações mensais, inclusive 13 dos funcionários. Neste momento pode se apresentar um verdadeiro colapso financeiro e destruição do fluxo de caixa das empresas. 

 

Ações que podem fazer toda diferença na pós quarentena

 

Diante do cenário atual e dos desdobramentos que se estenderão por um período incerto e tumultuado,  enxergar perspectivas positivas parece difícil não é mesmo? Afinal, como planejar uma retomada e recuperação diante de tantas obrigações e dificuldades acumuladas com a crise da COVID-19?

 

Não existe uma receita ou solução pronta, o dia a dia e as próximas medidas que aguardamos que sejam adotadas por parte do governo para ajudar a recuperação e fortalecimento das micro e pequenas empresas poderão fazer muita diferença.    

 

Além disso, no período pós quarentena, mais que nunca as empresas deverão contar com uma gestão de custos, financeira e tributária eficiente e estratégica.   

 

É importante lembrar que embora alguns sintam mais que outros os impactos da crise, estamos todos em um período delicado e logo mais entraremos numa fase de pós isolamento com muitos desafios. no qual os produtos e serviços não podem se tornar práticas abusivas.

 

Permanecer informado sobre as medidas do governo e basear as ações em fatos e  não em fakes, contar com uma assessoria contábil cujo custo não seja abusivo sobretudo nesse momento, pode fazer toda diferença para colocar os negócios em dia de novo.